Implante Humano
43

Todos ainda nos lembramos do velho Boletim de Vacinas, do plastificado Bilhete de Identidade, da desdobrável Carta de Condução, do enxovalhado Cartão de Contribuinte, do desnecessário cartão da Segurança Social e do número do Cartão do Liceu.

Apenas em 2007 é que a luz surgiu ao fundo do túnel quando Portugal criou o Cartão de Cidadão. Este novo cartão veio suprimir em parte a entropia de muitos cartões desnecessários  e na altura  até gerou alguma polémica, mas hoje todos temos a noção que foi um importante passo para a modernização do País.

O nosso País era – e ainda é – um País de muitos cartões refém de serviços públicos obsoletos em que  para se manter empregos e serviços retrógrados insiste-se em números de identificação próprios para tudo.

Hoje a tecnologia veio mostrar ser possível resumir toda a informação de um cidadão numa simples base de Dados e embora o Cartão de Cidadão fosse o primeiro passo é necessário continuar a simplificação do Estado o mais rápido possível.  E é por tudo isso que hoje sou um obstinado adepto da tecnologia de implantes de ampolas biotecnológicas RFID em seres humanos como forma de proteção económica e social.

Não tenhamos dúvidas que a Lei n.º 58/2019, mais conhecida como a Lei de Proteção de Dados, é tacitamente obsoleta porque todos nós temos  a noção que nos dias de hoje os telemóveis, os GPS, as camaras CCTV e os nossos computadores domésticos sabem quem somos, onde estamos e controlam toda a nossa vida, por isso nem é preciso muita coragem política para se dar o próximo passo.

Num mundo de grandes transformações climáticas e de propagação de pandemias, a mitigação dos fenómenos passará pela inibição do dinheiro em papel e pela supressão de quaisquer cartões reduzindo ao mínimo os contactos e as transferências físicas. Bastará um implante eletrónico inserido na mão entre o polegar e o indicador para qualquer ser humano ser localizado, ser identificado, ou fazer qualquer transação financeira.

E antes que seja considerado socialmente assustador, não se confunda a tecnologia da identificação humana com o Admirável Mundo novo de Aldous Huxley. Imagino apenas um futuro em que para pagar um jantar, ser identificado pela Polícia, ou ser encontrado em caso de acidente seja simples e imediato. Imagine-se para a economia global passar aeroportos em segurança, sofrer um acidente e ser logo localizado, levar de férias todo o histórico patológico para qualquer hospital do mundo. Já alguém fez as contas de quanto custa aos contribuintes procurar um desaparecido durante dias, meses, ou anos? E estará vivo ou morto?

Os defensores das conspirações e os tementes da privacidade vão argumentar que poderá estar em causa a garantia dos direitos e da liberdade dos cidadãos porque qualquer Governo poderá localizar qualquer dos seus cidadãos, estejam eles onde estiverem e que nada distinguirá um honesto cidadão de um simples criminoso com pulseira eletrónica.

A verdade é que, enquanto os Portugueses discutem o que vão comer ao almoço, na Suécia dá-se os primeiros passos na utilização de Implantes de identificação em Humanos investindo no desenvolvimento de um promissor sistema de Implantes ao qual mais de 4000 suecos já aderiram.