Açorda de Camarão
54
5

Nestes tempos de confinamento do COVID-19 a maioria de nós, e pelos motivos mais incompreensíveis do mundo, deita sempre comida fora.

O Alentejo é uma das zonas mais pobres do País e por isso é das regiões portuguesas em que consegue aproveitar ao máximo as sobras e os restos, numa cozinha que, como se sabe, é rica em sabores. Que o digam as famosas migas e açordas alentejanas.

No nosso caso, o pão é dos alimentos que sobram sempre cá em casa. Normalmente armazenamos no congelador e usamos o micro-ondas para descongela-lo à medida que é consumido, mas por mais gestão e poupança que se faça, ficam sempre sobras.

Desta vez encontrei, perdido num saco, meio pão duro que o Continente diz que é de Rio Maior, e que pela rigidez tinha pelo menos uma semana, mas como não tinha sinais de bolores ou fungos decidi aproveitar. E como não estamos no Alentejo, decidi fazer uma Açorda de Camarão para duas pessoas à minha maneira.

Para a Açorda precisamos de pão, azeite, alho, ovo, coentros, e mariscos. Felizmente coentros temos cá em casa plantados, mas normalmente conseguimos encontra-los nos supermercados, ou em último caso, congelados, o que não é nada a mesma coisa.

Abri o congelador e retirei seis camarões grandes argentinos, que dá perfeitamente para duas pessoas, porque o prato é Açorda de Camarão e não Camarão de Açorda. Descasquei seis dentes de alho e separei os troços das folhas de uma mão cheia de coentros. Costumo fritar os talos picadinhos mas deixo as folhas dos coentros para o fim porque os coentros são daquelas ervas que têm de ser saboreadas cruas.

Para confecionar a Açorda, deixe ferver num tacho a água com sal, e junte-lhe depois os camarões. Como qualquer marisco, existe um tempo de cozedura ideal, e no caso do camarão é entre 5 a 7 minutos depois da água voltar a ferver. Retire os camarões e passe imediatamente por água fria para que seja fácil descascá-los.

Num outro tacho deite azeite suficiente para cobrir o fundo e junte-lhe os troços dos coentros. Deixe fritar por 5 minutos com uma pequena pimenta, e só depois adicione os alhos já picados e deixe cozer mais um pouco com o cuidado de não deixar queimar o alho.

Entretanto descasca-se os camarões já frios e parte-se aos bocados pequenos mas de modo a que seja possível encontra-los no meio do pão.

Corta-se o meio Pão aos cubos, molha-se na água onde se cozeu o camarão, escorregue-se um pouco, e junta-se ao tacho do azeite e envolve-se tudo muito bem, com mais ou menos pão, conforme a consistência pretendida. Eu pessoalmente gosto da Açorda dura mas brilhante e húmida.

Junta-se depois os camarões, as folhas picadas dos coentros, quatro gemas, envolve-se tudo, e desliga-se logo o fogão porque é importante que as gemas não fiquem cozidas.

Serve-se logo ainda quente, com uma salada de tomate e alface, e regada com um bom vinho alentejano.