Receitas Culinárias sem nexo
58
9

Depois de me ter prometido escrever algumas das suas receitas secretas no 100 nexo, a Cristina, deu o dito pelo não dito, e agora vem dizer que escrever as suas receitas num Blogue sem nexo que ninguém lê – além de demonstrar pouca inteligência – é do mais rasca que existe em literatura.

É claramente uma opinião de quem nunca leu Henry Miller, Carl Moebius, ou Jerome Salinger.

Nem todos temos a perfeita noção que as Receitas Culinárias são do que mais subtil e poético que existe no mundo da literatura. Que o digam as 6 milhões de Receitas em língua portuguesa, as 30 milhões em mandarim, e as mais de 200 milhões em língua inglesa, publicadas na Internet.

Mas convencer a Cristina com tão pouco não é nada fácil, e o único modo que conheço é demonstrar que uma Receita Culinária tem tanto de literatura como os Maias de Eça de Queiroz.

E ainda digo mais, se Luis Vaz de Camões, além dos Lusíadas  que muitos poucos portugueses leram, tivesse escrito também um livro de receitas, este teria sido um Best-seller, e ele não tinha morrido a 10 de junho de 1580 na miséria.

E o melhor de tudo é que hoje Portugal seria famoso porque os melhores restaurantes do mundo  em vez de estrelas “Michelin”, teriam  estrelas “Camões”. E que se assim fosse, o dia 10 de Junho passaria a chamar-se o “Dia de Portugal, de Camões e da Cozinha Portuguesa”, e a receita da Caldeirada seria considerada um hino à poesia e à literatura.

Com tudo isto, o mais provável é que  a XXXII edição do livro “Receitas de um Lusitano” teria um prefácio do Chefe José Avillez e começaria assim com  um verso sobre a Caldeirada:

 “As 2 Kg batatas e os 4 peixes frescos,
Que do Pingo Doce chegaram,
Por cozinhas nunca de antes servidos,
Passaram ainda além da Madeira,
Em 4 tomates e 2 cebolas refogados,
Mais do que prometia o sabor humano,
E entre gente remota cozinharam
Nova receita, que tanto sublimaram;”

e que, sem surpresas, o último Canto do livro  terminaria em êxtase com a frase “deite sal q.b.”

Será que com tudo isto  consegui convencer a Cristina?