O Homeopata
176

Este texto é dedicado a uma amiga que cometeu o erro de me confessar que tinha ido a uma consulta com um Homeopata. Os que me conhecem mais de perto sabem que, além de não acreditar em Deus, acredito muito menos nos Homens, pelo que tentei saber o que era um homeopata.

Para os que julgam que a homeopatia é algo muito perto da bruxaria, saibam que a homeopatia foi criada pelo alemão Samuel Hahnemann em 1779, isto é numa altura em que nem havia aspirinas para curar uma simples dor de cabeça. Pelo que li, a homeopatia deriva da conjugação do grego Homeo com Pathos, ou seja, embora seja difícil de perceber, parece que cura alegadamente as doenças usando os princípios da similitude e da Infinitesimalidade, isto é, a homeopatia usa pequenas quantidades de químicos que causam sintomas semelhantes nas pessoas saudáveis. Perceberam a ideia? Eu não!

Pelo que entendi, o conceito da homeopatia é tratar o paciente e não a doença, isto é, cura a cabeça! E pelo que parece, a homeopatia não só cura bronquites, sinusites, asma, mas também stress, ansiedade, e ataques de pânico, ou seja, é mais ou menos o tal shampoo de dois em um.

Mas se tudo isto até pode ser lógico, científico e até aceitável, o facto de muitos Homeopatas se apresentarem com poderes sobrenaturais retira-lhes qualquer credibilidade.

Desconfiem quando alguém vos tenta convencer que possui um terceiro olho capaz de exercer telepatia quando na verdade são apenas truques baseados na intuição e na perceção.

A maioria das pessoas que consultam um homeopata já o fazem em desespero de causa, em situações de muita fragilidade física e emocional, isto é, são as vitimas perfeitas para acreditarem em qualquer coisa.

Não é difícil a qualquer um de nós perceber a fragilidade do outro, e através do diálogo conhecer os seus problemas e o diagnóstico é acertar numa verdade para ter sucesso.

E embora não acredite nestas coisas sobrenaturais lembro-me que em miúdo a minha mãe levava-me a uma bruxa que me curava do bucho virado e do mau-olhado com umas rezas impercetíveis, e o melhor de tudo é que a dor passava e eu julgava que curava mesmo.

Resumindo, um homeopata que devia ser um médico e um psicólogo é, na maior parte dos casos, um charlatão.